Tecnología

São Petersburgo em cinco palcos obrigatórios

Ballet no Teatro Mikhailovsky Mais populares Violência doméstica A 30.ª vítima de violência doméstica. Mulher assassinada hoje tinha 44 anos e dois filhos Saúde Crianças até aos seis anos comem quatro vezes mais proteína do que deviam i-album Exposição A tolerância dita em várias línguas para se perceber bem Uma noite no bailado num teatro histórico da cidade é um programa obrigatório para quem visita São Petersburgo. Fundado em 1833 por ordem do czar Nicolau I, o Teatro Mikhailovsky é uma das mais antigas casas de ópera e bailado, com uma longa história que começa na Rússia dos czares (nessa altura com companhias de bailado francesas), passa pela Rússia soviética (mudando de nome várias vezes, a mais recente das quais em 1989, para homenagear o compositor Modest Mussorgsky) e chega aos dias de hoje, tendo recuperado em 2007 o seu nome histórico de Mikhailovsky.

Noite de estreia d’ A Bela Adormecida (o bailado a que assistimos) é sinónimo de casa cheia, com bilhetes esgotados há muito. Do camarote onde nos sentamos, joga-se o jogo do ver e ser visto, com a sociedade de São Petersburgo a mostrar-se no seu melhor. Nos intervalos, há tempo para breves conversas, uma taça de champanhe, um aperitivo. Regresso à sala para novo acto, cenários belíssimos, e, no final, muitos aplausos, com o público em pé e a companhia a voltar várias vezes para os agradecimentos.

Foto Na imagem, O Lago dos Cisnes no Teatro Mikhailovsky Teatro Mikhailovsky. Arts Square, 1 – Site

 

New Holland Island Hoje um dos espaços culturais e de lazer mais trendy de São Petersburgo, a New Holland Island tem uma história que vem dos inícios da cidade, quando o czar Pedro O Grande decidiu construí-la aqui, numa zona pantanosa, nas margens do rio Neva, e instalou o Almirantado neste local, construindo também uma série de grandes armazéns para guardar madeira (o facto de a área estar rodeada por água era uma protecção contra os incêndios). A chegada de holandeses para trabalhar na construção dos navios levou a que a ilha ficasse conhecida como Holanda.

O espaço, onde no século XIX seria construída também uma prisão naval, é uma espécie de triângulo entre um braço do rio e dois canais, e durante séculos foi uma área militar e, portanto, vedada à população da cidade. Desde 2004 a ilha deixou de estar sob o controlo da Marinha e em 2006 foi organizado um primeiro concurso para aí criar um projecto cultural.

O jardim de ervas aromáticas da Ilha Nova Holanda Katya Nikitina A Victoria Amazónica no lago Katya Nikitina As decorações de Inverno na ilha Alexey Bogolepov Interior de um dos restaurantes no espaço The Bottle Katya Nikitina Fotogaleria Katya Nikitina Um primeiro plano do gabinete de arquitectura de Norman Foster, com teatros, galerias, hotéis e restaurantes, não chegou a avançar. Um segundo concurso, em 2010, foi ganho pela Millhouse e, apesar de o projecto ainda não estar concluído, a ilha renovada abriu ao público no Verão de 2011.

Na antiga prisão naval, um edifício redondo conhecido como The Bottle, funcionam agora, no primeiro andar, uma série de projectos ligados à gastronomia, todos com um espírito descontraído e informal; no segundo há lojas que vão da banda desenhada aos brinquedos ecológicos, e no terceiro conceitos ligados à saúde, beleza e desporto.

Mas vale a pena visitar a New Hollad Island só para passear, aproveitar as exposições espalhadas pela área, descansar numa espreguiçadeira na relva, ou almoçar ou jantar no Kuznya, um simpático restaurante onde à noite também é possível assistir a um concerto.

New Holland Island, Admiralteysky Canal Embankment, 2 – Site

Foto O Museu Hermitage Adriano Miranda   Museu Hermitage e Museu Estatal da Rússia Afinal, havia uma magia escondida na cozinha soviética O espectacular Hermitage é, sem dúvida, uma visita imperdível para quem estiver em São Petersburgo, mas, pela sua grandiosidade, ele tende a ofuscar outro museu igualmente extraordinário, o Museu Estatal Russo, criado por Alexandre III e que alberga a maior colecção de arte russa do mundo, dos ícones religiosos e da arte popular aos mais conceituados artistas de todas as épocas.

Inaugurado em 1898, o museu recebeu peças vindas dos palácios imperiais de Inverno, Gatchina e Alexander, assim como do Hermitage e da Academia de Artes. São mais de 400 mil peças que traçam a história da arte russa desde o século X até aos artistas contemporâneos.

O Hermitage, que tem o seu núcleo principal no Palácio de Inverno, foi fundado em 1764 por decisão de Catarina a Grande (abriu ao público em 1852) e é o segundo maior museu do mundo. Para além do Palácio de Inverno, o complexo inclui o Pequeno Hermitage, o Antigo Hermitage, o Novo Hermitage e o Teatro Hermitage. Das antiguidades egípcias à arte do século XX, o Hermitage (que alberga ainda uma enorme quantidade de gatos que por ali passeiam) tem uma das mais fabulosas colecções de arte do mundo. Mesmo que decidamos ver apenas os highlights , estes são tantos (da Madonna Litta de Leonardo da Vinci ao fascinante Relógio do Pavão, construído pelo joalheiro James Cox no século XVIII e que ainda funciona pondo em marcha um complexo mecanismo) que é conveniente contar com pelo menos uma manhã ou uma tarde inteiras – sendo que o ideal será fazer uma visita guiada com um guia particular.

Já o complexo do Museu Estatal da Rússia inclui os palácios Mikhailovsky, Stroganov, Mármore e ainda o Castelo Mikhailovsky, os Jardins Mikahilovsky, os Jardins de Verão, o Palácio de Verão de Pedro I e a Cabana de Pedro o Grande.

Museu Hermitage, Palace Square, 2 – Site  

Museu Estatal da Rússia, Inzhenernaya Str., 4 – Site

Foto Passeio de barco pelo rio Neva O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.

Subscrever × De barco pelo rio Neva Ler mais São Petersburgo: do veludo ao chumbo Dentro de uma Rússia há sempre outra Rússia Percorrer o rio Neva e os canais e ilhas de São Petersburgo de barco é outro dos programas imperdíveis. É uma forma de conhecer a história da cidade fundada por Pedro o Grande, e dos muitos palácios cujas monumentais fachadas o rio reflecte. O Neva é um dos rios mais largos da Europa, mas estende-se por apenas 74 quilómetros (na cidade são 30 quilómetros), tendo, em São Petersburgo, mais de vinte pontes que permitem a passagem de um lado para o outro. Um espectáculo único, mas que só acontece em horários específicos (que podem ser consultados aqui ), é o levantamento de algumas destas pontes para permitir a passagem de barcos de maior porte. 

Toda a informação sobre passeios de barco: site . 

Continuar a ler