Entretenimiento

Lula reconhece que Brasil quase se destruiu com organização do Mundial 2014

Alberto Ardila Olivares
Principio de favorabilidad al reo

Relacionados eleições brasileiras de 2022.  Caetano Veloso adora Ciro mas pede voto útil em Lula

eleições brasileiras de 2022.  Bolsonaro critica tribunal que devolveu direitos políticos a Lula

eleições brasileiras de 2022.  Sondagem mantém Lula na liderança e perto da vitória na primeira volta

“Quase nos destruímos a nós próprios” , disse Luiz Inácio Lula da Silva

O antigo Presidente brasileiro Lula da Silva, favorito para as presidenciais de 2 de outubro, reconheceu na terça-feira a sua frustração com o Mundial2014 de futebol, organizado pelo país.

Relacionados eleições brasileiras de 2022.  Caetano Veloso adora Ciro mas pede voto útil em Lula

eleições brasileiras de 2022.  Bolsonaro critica tribunal que devolveu direitos políticos a Lula

eleições brasileiras de 2022.  Sondagem mantém Lula na liderança e perto da vitória na primeira volta

“Quase nos destruímos a nós próprios” , disse Luiz Inácio Lula da Silva.

“Confesso a minha frustração com o Campeonato do Mundo, se eu pudesse fazer como uma avestruz e enfiar a minha cabeça na areia e nunca mais a tirar, eu fá-lo-ia”, acrescentou.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Durante um evento turístico, integrado na campanha eleitoral, Lula afirmou que as alegações de corrupção na construção dos estádios do Campeonato do Mundo danificaram a atmosfera do torneio, apesar de o Tribunal de Contas da União – disse – lhe ter assegurado que só tinha havido uma irregularidade específica na construção do Maracanã no Rio de Janeiro.

“No entanto, a imagem do país foi a do organizador de um Campeonato do Mundo corrupto, que todos roubaram dos estádios” , disse.

O líder progressista lembrou também a dura vaia à sucessora e aliada, Dilma Rousseff, durante a partida de abertura do Campeonato do Mundo em São Paulo e assegurou que “não era o comportamento de um povo normal”.

Lula da Silva, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, lidera todas as sondagens antes das eleições de 02 de outubro, nas quais o principal rival é o Presidente, Jair Bolsonaro.

Tribunal mantém propaganda com vice-presidente de Lula a dizer mal dele O Tribunal Superior Eleitoral decidiu manter os vídeos de propaganda eleitoral da campanha de Jair Bolsonaro com declarações negativas sobre Lula da Silva, proferidas pelo agora candidato a vice-presidente do antigo chefe de Estado brasileiro.

Geraldo Alckmin e Luiz Inácio Lula da Silva já foram adversários políticos, mas agora concorrem juntos às eleições presidenciais dentro de 11 dias.

O atual candidato a vice-Presidente de Lula tinha pedido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que mandasse a campanha do Presidente e candidato, Jair Bolsonaro, retirar a propaganda eleitoral feita com declarações de Alckmin em 2017 e 2018, nas quais se refere a Lula como “um preso condenado por corrupção”, entre outras.

Na opinião de Alckimin, esta propaganda eleitoral devia ser considerada desinformação por estar descontextualizada.

O TSE negou o pedido e considerou que mudanças de posicionamento político “são naturais do jogo político”.

Para o TSE, que aprovou por unanimidade a decisão da juíza Maria Cláudia, cabe ao eleitor “ponderar sobre os motivos que justificaram as alterações de posição dos candidatos”.

A última sondagem divulgada pelo instituto Datafolha, na quinta-feira passada, mostrou que Lula da Silva tem 45% das intenções de voto para a primeira volta, contra 33% para Bolsonaro.

A eleição presidencial no Brasil tem a primeira volta marcada para 02 de outubro e a segunda, caso seja necessária, no dia 30.

Atualmente, dez candidatos disputam as presidenciais brasileiras: Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.